terça-feira, 21 de setembro de 2010

VIGÍLIA EM DEFESA DA LINHA DO TUA - EU ESTIVE LÁ! (2)

No dia 18 de Setembro de 2010, enquadrada na “Semana Europeia da Mobilidade”, realizou-se em Lisboa, no Largo de Camões uma vigília em defesa da Linha do Tua, tendo-se deslocado à capital um autocarro com saída de MirandelaTrás-os-Montes com um grupo de defensores da Linha. Um dos objectivos desta vigília em Lisboa,  passou por apresentar um abaixo-assinado a entregar na Assembleia da República, que contém as reivindicações dos cidadãos abrangidos pela linha do Tua e fazer ver ao Governo, o direito das populações transmontanas à mobilidade e a necessidade de investir na linha, estando o seu futuro em risco, devido à construção da Barragem Foz Tua, deixando ela, grande parte da linha submersa.
Foram quatro as entidades, que estiveram na origem desta vigília: O Movimento de Cidadãos em Defesa da Linha do Tua; O Movimento Cívico pela Linha do Tua; A Associação dos Amigos do Vale do Rio Tua e O Partido Ecologista “Os Verdes”. Estas entidades, fizeram tudo para mobilizar um grande número de Transmontanos, principalmente do Vale do Tua, bem como todos aqueles que defendem a Linha do Tua, quer falando pessoalmente com as pessoas, quer através da comunicação social e da internet.
Eu como um apreciador da paisagem envolvente à linha e defensor do Rio Tua e da  Linha do Tua, não podia deixar de estar presente. Quando tomei conhecimento da vigília entrei em contacto com um dos representantes do Movimento de Cidadãos em Defesa da Linha do Tua, criado recentemente por cidadãos de Codeçaisconcelho de Carrazeda de Ansiães, que por sinal é a terra da minha esposa. Disse-lhe que eu, a minha esposa e a minha filha mais velha, estávamos dispostos a participar na vigília e ir até Lisboa lutar pela linha, que faz falta a toda aquela população do Vale do Tua. Ficou então determinado que iríamos apanhar um autocarro à Brunheda e depois seguiríamos até Mirandela, onde estariam mais defensores da linha e ai estaria então um autocarro que nos levaria até Lisboa.
No dia 18 de manhã, às 11:20 horas, cheguei a Codeçais, onde estavam alguns cidadãos e um dos representantes do Movimento de Cidadãos em Defesa da Linha do Tua, Armando Azevedo, à espera para partirmos todos juntos até à Brunheda. Quando chegamos ao Largo do Olival, já ali estavam também alguns cidadãos daquela aldeia. Fica-mos ali à conversa e “discutindo” alguns pontos relativos a Linha do Tua. Eram, então 11:54 horas, quando chegou o autocarro da Câmara Municipal de Carrazeda, já com alguns cidadãos doutras aldeias do concelho de Carrazeda de Ansiães. Depois de colocar-mos na bagageira, os sacos e mochilas com o farnel, seguimos então com destino até Mirandela, parando ainda na Sobreira, onde se encontrava Célia Quintas, representante da Associação dos Amigos do Vale do Rio Tua.
Chegamos a Mirandela às 12:44 horas, junto da estação de Mirandela, já lá estava o autocarro à espera com alguns cidadãos, inclusive Daniel Conde, representante do Movimento Cívico pela Linha do Tua. Todos que vinham do concelho de Carrazeda, ficaram muito decepcionados, com os poucos que se encontravam em Mirandela para participar na Vigília, o que é de lamentar. Como é possível que a Autarquia de Mirandela, defensora da Linha do Tua, depois de saber desta iniciativa, não consegue mobilizar a população para se deslocar a Lisboa. Vamos lá compreender isto! Passava um pouco das 13:00 horas, quando se inicio a partida para Lisboa. Durante a viagem, falou-se e “discutiu-se” sobre a Linha do Tua, fizeram-se alguns paragens ao longo da viagem para se comer alguma coisa e fazer as necessidades, onde a organização estive muito bem, verificando sempre se estava toda a gente antes de partir.
Chegamos ao Largo de Camões, em Lisboa, eram 18:40 horas, já lá havia muitos para manifestar o seu apoio e alguns jornalistas e fotógrafos à nossa espera. À saída do autocarro, tínhamos o som dos Gaiteiros a dar-nos as boas vindas e Manuela Cunha do Partido “Os Verdes” que nos recebeu, nisto os jornalistas e fotógrafos em breve se dirigiram ao pé dos cidadãos transmontanos, que se deslocaram à capital para mostrar o seu descontentamento com a construção da barragem e o fim da Linha, que tanta falta faz à região, alertando ao Governo a necessidade de se investir na linha que esta ameaçada pela construção da Barragem.
Depois de algumas entrevistas, todos se dirigiram junto da estatua de Luís de Camões, onde foi colocada uma exposição de fotografia da autoria de Aníbal Gonçalves, tendo ele feito várias caminhas ao longo da Linha do Tua, fotografando a linha e o rio e toda aquela paisagem maravilhosa, criando mesmo um blogue dedicado à Linha do Tua: “Linha e Tua”, não estando presente na vigília, foi lida uma mensagem sua, como se poderá ver num dos vídeos a publicar posteriormente.
No Largo, foram colocados alguns cartazes em Defesa da Linha do Tua, chamando a atenção dos nossos Governantes, como se pode constatar nas fotografias. Havia também uma mesa onde se servia comida, tendo colocado um cartaz à frente onde se lia: “FOOD NOTS DAMS A LINHA È TUA!”.
Depois foi altura de se ouvirem as vozes dalguns dos representantes dos Movimentos, Associações e outras Entidades envolvidas na defesa do Rio e da Linha do Tua. Momentos estes que podem ser vistos na próxima postagem com alguns vídeos realizados por mim durante esta vigília.
Depois de terminarem as mensagens dirigidas ao Governo, alertando pela necessidade da abertura da Linha, foi altura de abrir os sacos e comer do farnel, havendo troca do mesmo, onde não faltou o vinho das encostas do rio Tua. Houve mesmo alguns lisboetas e outros que marcavam ali presença, com os quais se partilhou também do farnel, apreciando estes os produtos transmontanos.

Enquanto se comia, foi passando o filme “Pare, Escute e Olhe” de Jorge Pelicano, que também tinha feito ouvir a sua voz momentos antes. Também constava no programa que iriam ser lidos poemas de da autoria de Transmontanos, mas por motivos pessoais, tive-me que ausentar durante algum tempo e quando cheguei, apenas vi algumas velas acesas, pois foi com muita pena que não presenciei esse momento.
Pouco faltava para a Meia-Noite, quando Manuela Cunha do Partido “Os Verdes”, se dirigiu a todos os presentes, agradecendo pela presença de todos os defensores da Linha e agradecendo a ida a Lisboa dos cidadãos de Trás-os-Montes.
 
Depois de despedidas foi altura de aguardar a chegada do autocarro para regressarmos a Trás-os-Montes. Era então meia-noite quando deixamos o Largo de Camões e seguimos viagem. Já no autocarro, mas ainda dentro de Lisboa, era visível a satisfação daqueles que se deslocaram à Capital para defender uma causa a “Linha do Tua”, não faltando alegria e alguma musica ao toque do realejo, que o tio Luciano e outro senhor (não me recordo agora do nome) de Codeçais, bem como o som de uma pandeireta por parte de uma cidadã também de uma outra aldeia do concelho de Carrazeda de Ansiães, animando assim o ambiente.


Depois como já era tarde foi momento de descansar, pois a viagem era longo chegando a Mirandela às 5:30 da Manhã, onde ficaram os nossos companheiros de Mirandela na defesa da linha e nós seguimos para a Brunheda no autocarro que já ali estava à nossa espera, chegando à Brunheda por volta das 6:30 horas, regressando de seguida cada um às suas casas.


Todos aqueles que organizaram e participaram, nesta vigília estão de parabéns, pois esta ida a Lisboa, de certeza que fará os nossos Governantes pensar um pouco mais na Linha do Tua e nas populações do Vale do Tua, que tanto precisam desta linha. Eu do que conheço da linha pelas caminhadas que já fiz ao longo dela e do que já falei com alguns populares do Vale do Tua, que trabalharam na linha e se serviam dela para se deslocarem a Mirandela e ao Porto, indo de comboio e recentemente de metro até ao Tua e depois apanhavam o comboio do Tua ao Porto, hoje torna-se muito complicado para essa gente deslocar-se, embora haja táxis a fazer o transporte diário. Como outros defensores da linha, defendo que esta poderia ser aproveitada para incrementar o turismo em Trás-os-Montes com a ligação a Puebla de Sanábria.
Regressamos a Tras-os-Montes, mas vamos Continuar a Defender a Linha do Tua até ao fim, até que os nossos Governantes se cansem de ouvir as nossas vozes e nos voltem a dar a linha que é Nossa.
Estas e outras fotografias relativas à Vigília em Defesa da Linha do Tua, poderão ser vistas na minha página do facebook:

2 comentários:

euroluso disse...

Parabéns pela reportagem!
Quem deixa de construir uma estrada de ligação de Vimioso a Bragança e Miranda, por causa de uns ratos; quem desvia o traçado da auto-estrada A24 em Vila Pouca de Aguiar, para salvar uma alcateia de lobos, terá de explicar muito bem porque quer destruir uma linha de caminho de ferro centenária, património nacional,e meio de transporte para populações ribeirinhas e turistas se deslocarem de e para Trás-os-Montes.
A Linha do Tua vai ser salva. É nossa!

JORGE DELFIM disse...

É isso ai, como darão explicação para a destruição da linha!
Ela é nossa, nem que tenhomos que voltar a Lisboa ou seja lá onde for...
Se voltar a haver mais alguma vigília ou manifestação (espero que não seja necessário), era bom que os nossos autarcas se lembrassem da Linha do Tua e de mobilizar a população para uma luta em grande, pois a união faz a força e esta é uma boa razão para que o povo transmontano se una.
VAMOS TODOS LUTAR PELA lINHA DO TUA, que é de todos nós, ou não somos todos portugueses?!

Cumprimentos

Jorge Delfim