segunda-feira, 12 de abril de 2010

Caminhada no Rio Sabor

Mais uma caminhada no dia 6 de Abril de 2010, desta vez ao longo do Rio Sabor, enquanto ainda é selvagem, pois dentro de alguns tempos deixara de o ser devido a construção da Barragem do Baixo Sabor.

Eram então, 08:00 horas da manhã, quando cheguei à Portela, ali deixei o carro e pus a mochila às costas com alguns mantimentos como acontece sempre quando as caminhas ocupam praticamente todo o dia, não faltando a câmara de filmar e a de fotografar para registar a bela paisagem que o Sabor oferece.

Segui pela lado direito do rio, por um caminho em terra, começando por fotografar a ponte do Sabor e algumas flores campestres, como a papoila, entre outras, marcando a Estação do ano em que estamos, que é a Primavera.

Depois de caminhar alguns 2 km pelo caminho, deixei-o e segui junto às margens do rio, permitindo-me fazer algumas fotos próximo das águas do mesmo.

Depois de ter andado aí uns 3 km do local de partida, cheguei junto da antiga barragem da Quinta da Laranjeira.

Quinta esta que se encontra da outra margem do rio.

Ali a água corria por cima do paredão feito em betão , onde numa das partes que se encontrava fora de água contem as datas da construção da mesma.

Depois de ter feito algumas fotografias e ter filmado aquele local, continuei a minha caminhada, sempre junto as margens do rio, saltando de pedra em pedra, pois é coisa que ali não falta.

Depois de andar mais alguns 500 metros, avistei um pilar com marcações, para verificar o nível da água e bem mais acima das margens do rio há uma casa, havendo umas escadas até esta.

Subi até lá e verifiquei que era algo que tinha a ver com a construção da tal barragem, pois tem uma placa que diz: “Património do Estado”. Dali consegue-se uma vista espectacular do rio e dos enormes rochedos que o rodeiam.

Deixei este local, descendo por outras escadas ali existentes em direcção a um carreirão, que me levou, junto de um local quase junto da margem do rio, qual foi o meu espanto quando dei com um monumento em pedra com uma cruz gravada, e os seguintes dizeres: “ A memoria do topografo Luís Morais morto desastradamente neste local em 3-08-935 ao serviço da nação”.

De seguida desloquei-me até um enorme rochedo, onde parei para apreciar o rio e meter alguma coisa à boca, pois já eram 11:30 horas.

Depois de comer, voltei a por pés a caminho desviando-me um pouco da margem do rio e subi até a um rochedo, onde vi uma abertura, qual o meu espanto ao chegar junto dele! Estava perante um túnel feito na rocha, tinha alguns 20 metros de cumprimento, onde havia vestígios de alguns morcegos.

Voltei a descer junto do rio, para mais umas fotografias das águas do mesmo e andando mais um pouco, cheguei a um ribeiro, vindo este a desaguar ali. Era lindo de se ver, pois a queda da água formava uma pequena cascata, que não deixei de fotografar.

Com tanto entusiasmo para fotografar aquela maravilha, aconteceu aquilo que não devia ter acontecido, escorreguei nas pedras húmidas no momento que estava a fotografar e lá foi a máquina para o charco, ficou completamente encharcada. Eram então 13:20 horas, não havia mais nada a fazer, se não regressar, pois a bateria da câmara de filmar também já não dava para muito mais e com a máquina fotográfica encharcada não dava para registar mais nada. A única solução era mesmo o regresso e assim aconteceu. Mas houve outra alternativa para registar o regresso, mesmo depois de a bateria da câmara de filmar acabar, o telemóvel lá fez mais algumas fotos, até ao local donde parti.

Cheguei junto do carro eram umas 15:15 horas. Durante o regresso sempre com a objectiva virada ao sol para ver se a humidade desaparecia, mas sem sucesso, nisto já no carro ligo o condicionado no quente virado para a maquina e aconteceu aquilo que eu esperava , lá voltou a maquina a ser maquina, mas que grande maquina! O que ela já sofreu desde que me acompanha e parece não me querer largar.

Foi assim mais uma aventura desta vez pelo Sabor, vendo e registando aquilo que em bem pouco tempo irá ficar debaixo de água.

7 comentários:

Dylan disse...

Uma grande aventura, um grande amor pelo Sabor. Um bem haja!

aa disse...

Mas que grande caminhada Jorge!!!
Pelas magníficas fotos, essa é sem dúvida uma das caminhadas que vale bem a pena fazer para quem goste da Natureza... e de fotografar...


Realmente, essa é uma super-máquina...:) ficar encharcada e continuar a dar... ainda bem que foi só um pequeno susto...
Beijos,
AA

JORGE DELFIM disse...

Sim foi uma grande caminhada e uma grande aventura, paisagem deslumbrante!
Esta caminhada foi Terça-Feira e na Sexta-Feira fiz uma outra também no rio Sabor, na zona do Felgar, da qual falarei numa proxima postagem.

Cumprimentos

Jorge Delfim

JORGE DELFIM disse...

Sim é o que eu digo, uma GRANDE MÁQUINA!
Já passou por bons sustos, desde cair com ela e entortar a objectiva e ter que a endireitar e continuar a fotografar, escorregar com ela na mão e saltar pro chão com a objectiva aberta e desta última vez chegar a escorregar e ir ela cair dentro de água, enfim!
Volta sempre a fotografar como nova. Não é a fazer publicidade, mas estou a pensar adquirir outra e acho que não vou optar por outra senão Sony.

Jorge Delfim

Anónimo disse...

ainda bem k algem d lembra ca por de tras dax kelas fragax .... um bem haja a pexoa k ajuda a n nx exkexermox da linda , e espetakular paisagem k existe...parabenx aguarda se maix iniciativax destas ... forxa

Anónimo disse...

Um dia quando quiser ver uma ponte romana com uma grande altura vá até a aldeia de outeiro (concelho de bragança)e desça até ao rio sabor, são uns 5 km e vale a pena, vai passar por uma calçada romana no caminho para a ponte. Algumas pessoas da aldeia fazem essa caminhada e gostam muito.

Frederico Oliveira disse...

Boa tarde Jorge.

Desde já, os meus parabéns pela caminhada, o Rio Sabor é fantástico, paisagens e património fantástico.
Devido ao meu trabalho, já tive a oportunidade de fazer uma caminhada semelhante à sua, mas fi-la ao longo da margem esquerda do rio, até à zona de Larinho, pouco antes de onde está agora o paredão de montante da barragem.

O que me faz comentar é a galeria subterrânea com vestigios de morcegos que encontrou na margem direita (?) do rio. Como estudo morcegos, interessou-me o facto de poder haver uma nova galeria que desconhecia nessa zona. Consegue fornecer-me a posição dessa entrada?

O meu contacto é fhintze@socpvs.org

Obrigado.

Cumprimentos